O que é NFC (Near Field Communication)?

Quem consegue sair de casa sem o seu celular? Muito mais do que uma ferramenta para fazer ligações, o aparelho é atualmente um computador potente, capaz de realizar inúmeras tarefas — e essa capacidade aumenta a cada dia. Uma das ferramentas que mais crescem e têm um futuro promissor pela frente, que vai ampliar as possibilidades dos dispositivos móveis, é a tecnologia NFC (Near Field Communication, ou Comunicação por Campo de Proximidade, na tradução livre para o português).

Essa tecnologia funciona sem fios e permite a comunicação entre dois aparelhos que estejam localizados a, no máximo, cerca de 10 cm de distância. É uma das apostas para uma comunicação segura e que permite vários tipos de transações.

 
A NFC foi criada por meio de um consórcio de gigantes da tecnologia: LG, Motorola, Samsung, Huawei, HTC, Google, Visa, Microsoft e Intel. Os celulares compatíveis com essa tecnologia possuem um chip na parte traseira do aparelho que estabelece a comunicação com outros aparelhos que possuem um chip equipado com a NFC.

A NFC é muito utilizada no Japão, onde as aplicações da tecnologia já chegaram ao comércio e a serviços, como transporte coletivo. Para se ter uma ideia da evolução desse recurso, em 2010, existiam 50 milhões de aparelhos equipados com a NCF, e as projeções indicam que em 2015 o número deverá chegar a 550 milhões de smartphones aptos a utilizar essa tecnologia, segundo da IHS iSuppli, uma empresa de pesquisa de mercado. Para entender mais sobre o assunto, continue acompanhando o nosso artigo!

 

Características da NFC

A comunicação entre aparelhos móveis é feita sem necessidade de cabos ou o uso de ondas sem fio — a tecnologia usada no wi-fi e bluetooth. A NFC chegou também a TVs e notebooks, o que permite com que a indústria já estude o fim de conexões por cabo, como USB.

A NFC permite conexões rápidas em uma curta distância. Por isso, a transmissão de arquivos grandes não é ainda o objetivo dessa tecnologia.

Essa tecnologia é baseada em uma já bastante difundida pelo mundo, a RFID (Radio Frequency Identification, ou identificação por radiofrequência, na tradução livre para o português). Sabe aquelas etiquetas coladas em um produto que provocam um apito na saída da loja quando elas não são desativadas pelo caixa? Elas usam a RFID, método simples que conecta a etiqueta a uma base transmissora. Sempre que se a etiqueta (ou tag) se aproxima da base, gera um alarme quando ativado. É o princípio da NFC, a emissão de sinais de dispositivos quando eles se aproximam um do outro.

 

Como funciona

O funcionamento é simples: basta aproximar um aparelho equipado com a NFC de outro que também possua a tecnologia. Ambos devem estar ativados — cada modelo de aparelho tem um modo diferente de acionar o recurso. Por isso, vá nas Configurações do seu smartphone para liberar a tecnologia.

Depois, é só aproximar o seu celular de outro aparelho que também esteja ativado com a NFC para transmitir dados.

 

A NFC tem duas formas de funcionar. A primeira é a ativa, que acontece quando os dois aparelhos geram sinais que permitem o compartilhamento de dados entre eles. O segundo modo é o passivo, quando um dos aparelhos gera o sinal de radiofrequência, enquanto o outro utiliza esse campo para realizar a comunicação.

O ativo passa a funcionar como leitor e o passivo se torna a tag. O ativo procura por dispositivos que estejam com a função NFC ativada e próximos do campo de alcance do sinal. Assim que um aparelho se aproxima do outro, o ativo decodifica o sinal enviado pela tag e recebe orientações para realizar alguma tarefa.

Essa é a forma de realização de um pagamento feito por meio dessa tecnologia. O smartphone seria o passivo, enquanto o aparelho do caixa estaria funcionando no modo ativo. Ao se aproximar, o pagamento é feito automaticamente. Mas este é só um dos inúmeros exemplos de como a NFC funciona (veja mais a seguir).

 

Segurança é ponto forte

A transmissão de dados é uma das maiores preocupações dos usuários de internet, seja por meio de smartphones, tablets ou computadores. Como a NFC não utiliza redes, sinais públicos de wi-fi ou ondas de bluetooth, ela se torna uma tecnologia extremamente segura.

O recurso só é acionado por quem estiver muito próximo, sem necessidade de pareamento — um aparelho não é “escaneado” pelo outro para compartilhar informações.

 

Aplicações da NFC

Você pode não ter ouvido falar da NFC nem saber de lugares que já fazem uso dessa tecnologia. Mas é bom saber que provavelmente muito em breve ela dominará muito daquilo que você faz cotidianamente com outros recursos.

As transações financeiras serão feitas por meio da NFC. Na hora do pagamento, bastará aproximar seu celular da máquina do caixa e o débito será feito automaticamente. Simultaneamente, você receberá em seu smartphone o recibo da compra, com a descrição dos produtos. Tudo será mais rápido e seguro, sem necessidade de senhas e do uso de cartões.

Outro exemplo vem do Japão, onde já é possível comprar bilhetes de metrô por meio da NFC. O usuário aproxima o celular da catraca e compra o acesso diretamente, sem enfrentar filas.

Modelos mais modernos de carros também virão em breve com o recurso embutido, que funcionará para abrir as portas do veículo.

 

O uso dessa tecnologia se multiplica nas áreas de entretenimento. Estúdios de cinema já divulgam seus filmes por meio dessa tecnologia. Quando uma pessoa aproxima seu celular de um cartaz, recebe imediatamente a sugestão de assistir ao trailer do filme. Isso pode ser feito para lançamentos musicais e de livros, para divulgação de shows e outras atrações, seguindo o princípio de aproximação para ter acesso a informações. A facilidade de transmissão é um dos grandes atrativos da NFC, mesmo que não seja possível transmitir arquivos muito pesados.

No mundo corporativo, a NFC permite a troca de cartões, o acesso a logins de computadores e salas reservadas

 

Aparelhos compatíveis

Nem todos os dispositivos possuem a tecnologia, mas os mais modernos já vêm com a NFC embutida, como o iPhone 6 e o Galaxy S6 — tops de linha das principais marcas de celulares. No Brasil, é provável que o usuário terá mais facilidade de utilizar o recurso com amigos do que no comércio e em setores corporativos.

A compra via celular ainda engatinha no país, mas a tendência é que isso mude em breve. Se você quiser comprar um aparelho com NFC, confira o manual antes de adquiri-lo.

 

Vantagens da NFC

Praticidade, agilidade e segurança. Esse trio domina a lista de vantagens da tecnologia, mas podemos acrescentar outras. Uma delas é a versatilidade. Praticamente, todos os setores econômicos e serviços podem usar a NFC. Seu uso abre um amplo espaço para o futuro da casa inteligente, sem necessidade do uso de chaves e botões.

A habilitação é simples e de fácil compreensão. Vai eliminar o uso de cartões de crédito e de lojas — tudo será armazenado na memória do celular e nos chips.

 

Limitações da NFC

As desvantagens desse recurso se devem mais por ele ser ainda uma tecnologia em desenvolvimento do que por eventuais problemas. A velocidade de transmissão ainda é baixa, mas funciona perfeitamente para o que já está disponível.

E por ser uma tecnologia em desenvolvimento, o custo ainda é alto, assim como o dos dispositivos disponíveis e aptos a funcionar com a NFC. A tendência é que, com o passar do tempo, esses limites sejam superados e a tecnologia se torne mais disseminada.