O que é IPv6? Conheça o histórico e as mais recentes atualizações

Por: Equipe OpServices em 05.07.2017
IPV6

IPV6 é o protocolo da internet. A versão 6 é a mais atual e sucede a anterior, IPV4. Ao enviar e receber informação pela internet, os dados são divididos em pacotes. Cada pacote é identificado por um endereço de quem envia e de quem recebe. Esse endereço é entendido como único e, assim como placas de carros, existe um limite para a existência de diferentes identificadores. Esse limite já está bem próximo de ser atingido, pertencendo ao já sobrecarregado padrão IPv4.

A solução para isso é um novo padrão, o IPv6, que já existe mas que até então não era utilizado. Trataremos um pouco sobre o que é o IPv6 e como sua adoção impactará na internet atual.

 

Esgotamento do protocolo IPv4

Os motivos para o esgotamento desse padrão são bem intuitivos: rápido crescimento de usuários, grande número de dispositivos permanentemente conectados (modems), grande número de dispositivos móveis e utilização ineficiente de endereços.

Essa utilização de todos os 4,3 bilhões de endereços IPv4 já é antecipada desde 1980, quando se visualizou o boom de crescimento na utilização da internet.

A criticidade foi postergada até o início deste ano de 2017, quando apenas novas empresas que ainda não haviam solicitado o IPv4 poderão fazê-lo, e com número limitado de endereços.

 

Conceito de IPv6

Esse novo padrão de protocolo não é novo. Ele foi criado em 1998 e lançado oficialmente em 2012, mas só agora tornou-se realmente necessário.

As características do IPv6 podem ser resumidas em vantagens, como as apresentadas pela Networkcomputing (no link também é possível ler os detalhes técnicos de cada item):

  • roteamento mais eficiente;
  • melhor processamento de pacotes;
  • fluxo de dados diretos;
  • configuração de rede simplificada;
  • suporte para novos serviços;
  • melhoria da segurança.

 

Adoção do protocolo IPv6

Para se ter uma ideia da adoção desse novo padrão, é recomendado visualizar o monitoramento de acessos realizado pelo Google, onde se vê que mais de 18% dos acessos ao Google no mundo já é feito por IPv6.

Quando a análise é feita por país, o Brasil está em boa situação. A adoção aqui já é de 18,4%, e os usuários enfrentam menos problemas de compatibilidade e conexão. Para comparação, Estados Unidos têm 35,4%, Japão 17,37% e Bélgica 47,63% de seus usuários conectados via IPv6.

Já a disponibilidade do serviço é fornecida pelo ipv6-test, que aponta um suporte de quase 50% dos hosts para com o novo protocolo. É possível ver quais são os provedores que fornecem essa possibilidade no Brasil.

Sobre a implementação em empresas, em pesquisa realizada pela TeamArin apenas 20% dos respondentes consideraram o custo como o maior empecilho. As dificuldades técnicas lideram com quase 70%. Suporte e treinamento são os outros dois problemas considerados pelas empresas.

Essa nova situação de transição tem nome e é chamada de dual-stack, sendo que IPv4 e IPv6 funcionarão de forma simultânea por mais alguns anos. Nela, alguns usuários poderão ser afetados, pois a tradução (mecanismo chamado de NAT) entre os padrões de protocolo é lenta.

Siga a nossa página no Twitter, Facebook e Linkedin para ficar atualizado sobre tecnologia da informação e sua infraestrutura.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Instagram

JUNTE-SE À NOSSA LISTA E RECEBA
OS NOSSOS CONTEÚDOS.

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos