Conheça os principais relatórios de TI sobre infraestrutura

Por: Pedro César Tebaldi Gomes em 18.01.2019
Relatórios de TI

Existem diferentes tipos de relatórios de TI, com diferentes tipos de aplicações. Eles são fundamentais para a eficácia da gestão, seja qual for o porte ou o segmento da sua empresa. Permitem ao gestor assegurar um acompanhamento adequado dos indicadores da área, contribuindo significativamente para o desenvolvimento da organização.

Os recursos e ativos de TI, dada a sua importância para a automatização de operações e processos, devem ter seu desempenho monitorado, a fim de oferecer os insumos necessários para qualificar o processo de tomada de decisões e facilitar a realização dos objetivos estratégicos da empresa.

Pensando nisso, buscamos, ao longo deste artigo, sanar as principais dúvidas acerca dos relatórios de TI com foco em infraestrutura e apresentar alguns de seus principais tipos. Boa leitura!

 

Qual é a importância de um relatório de TI?

Enquanto gerente de TI, você sabe a relevância que os relatórios têm para os resultados do negócio, não é mesmo? Eles evidenciam a eficiência tanto da gestão de projetos quanto da área como um todo.

Relatórios de TI permitem o acompanhamento de metas, via visualização de dados consolidados. Além disso, simplificam o acompanhamento dos resultados obtidos periodicamente, o que auxilia na identificação de eventuais desvios e na elaboração de ajustes pertinentes.

 

Quais são os principais tipos de relatórios de TI?

Cada relatório de TI se destina a um fim específico, podendo variar sensivelmente, de acordo com as especificidades de cada segmento e as características gerais da organização.

Não obstante, todos se referem à necessidade de analisar, monitorar e tomar decisões à luz dos resultados avaliados. Confira, a seguir, os principais tipos de relatórios de TI com foco em infraestrutura.

 

1. Relatório de disponibilidade

Este é o relatório que permite a análise de problemas que já ocorreram. Ajuda a identificar períodos de indisponibilidade de equipamentos, sistemas ou do próprio serviço entregue pela TI. Ajuda a identificar pontos críticos da infraestrutura a serem trabalhados, como por exemplo a criação de redundância em pontos críticos.

O relatório de disponibilidade também permite a identificação de investimentos que podem ser realizados segundo a relevância da disponibilidade e viabilidades para os serviços a serem entregues.

A partir do relatório de disponibilidade pode-se avaliar, por exemplo, a necessidade de migração de sistemas para ambientes Cloud. Também permite medir a eficiência e agilidade de reação diante de erros. Um indicador que mede essa agilidade é o MTTR, ou Mean Time do Repair. E o indicador que mede a reocorrência de um erro é o MTBF, Mean Time Between Failures.

 

2. Relatório de capacidade e performance

O relatório de capacidade e performance permite gerenciar a capacidade existente em sua infraestrutura de TI, isto é, hardwares e softwares, visando o atendimento de todos os processos sem, para isso, exceder os limites de custo desejados.

Trata-se de assegurar a plena utilização dos recursos de TI para garantir o atendimento das atuais e futuras necessidades do negócio. Itens como o potencial para evitar perdas em caso de existirem falhas e a utilização dos componentes de TI estão entre os elementos que integram a confiabilidade desse relatório.

A partir de um relatório de capacidade é possível gerar dados sobre previsão futura para identificar o ponto exato do esgotamento de recursos. Isso permite embasar a necessidade de novos investimentos em tecnologia. Esse relatório é um aliado importante do gestor de TI.

 

3. Relatório de SLA (Acordo de Nível de Serviço)

O relatório de SLA (Acordo de Nível de Serviço) é um contrato de entrega de serviços. Propicia um acompanhamento do percentual de entrega dos serviços.

Ou seja, se a área de TI sustenta a entrega do serviço infraestrutura de CRM, ela se compromete a entregar uma certa disponibilidade. Digamos que esse número seja 99%, o comprometimento da entrega e o percentual se referem ao SLA, enquanto a verificação da entrega se refere ao SLM, abordado a seguir.

Esse tipo de indicador serve não apenas para as áreas internas da empresa, mas para controle de fornecedores. Geralmente, provedores de internet possuem um SLA que garante uma disponibilidade mínima dos links. Caso não seja cumprido o provedor poderá pagar multas ou a realizar reembolsos.

Para um bom acompanhamento de SLAs, é importante que eles sejam acompanhados constantemente e utilizados com indicadores de metas das áreas ou em contrato, no caso dos fornecedores de serviços.

 

4. Relatório de SLM (Service Level Management)

O relatório de SLM (sigla inglesa para Gerenciamento de Nível de Serviço, em tradução livre) serve para verificar se o SLA vem sendo cumprido conforme o esperado.

Caso o SLA esteja abaixo deste número, é entendido que o acordo de serviço está sendo desreipeitado. Trata-se, em suma, de um efetivo acompanhamento das metas estabelecidas no SLA. Esse relatório visa, portanto, realizar essas análises de forma eficaz (tanto que, sem o relatório de SLM, o SLA pode ser comprometido).

 

Relatórios do OpMon

 
Por fim, cumpre ressaltar que, se a sua empresa almeja otimizar continuamente os processos e serviços da área, você não deve, de modo algum, negligenciar a utilização de diferentes tipos de relatórios de TI. Caso contrário, será mais difícil assegurar que o setor realmente seja estratégico e relevante para a organização.

Gostou do artigo? Então, compartilhe este post nas redes sociais e mostre aos seus contatos a importância do relatório de TI!

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn

ASSINE NOSSA NEWSLETTER E RECEBA
NOSSOS MELHORES CONTEÚDOS!

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos